quinta-feira, 20 de outubro de 2016

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Canal Superior

Entrevista de Pedro Miguel Rocha ao Canal Superior acerca do programa de televisão "Contentor 13".

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Revista Montepio

Reportagem sobre o programa de televisão da autoria de Pedro Miguel Rocha: "Contentor 13", RTP2.



quinta-feira, 5 de março de 2015

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Linha da Frente, RTP1


Entrevista de Pedro Miguel Rocha no programa "Linha da Frente", da RTP1, sobre o projeto "Contentor 13".

[minuto 12:50]

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Sociedade Civil, RTP2




Entrevista de Pedro Miguel Rocha sobre Cultura e sobre o programa de televisão "Contentor 13".

Aqui: http://www.rtp.pt/play/p1490/e180657/sociedade-civil-2014
          [minuto 52:05]

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Jornal 2, RTP2


Entrevista de Pedro Miguel Rocha sobre o programa de televisão "Contentor 13".

Aqui: http://www.rtp.pt/play/p1716/e180058/jornal-2
        [minuto 35:40]

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Revista LuxWoman


"Um programa de televisão criado, desenvolvido e produzido a partir dos contentores do Village Underground Lisboa, pela cabeça e pelo talento de um dos seus residentes, Pedro Miguel Rocha."

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Revista VISÃO


"Foi à procura de outros enredos para os livros que Pedro Miguel Rocha decidiu mudar o seu local de trabalho para o Village Underground Lisboa (...)"

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Agora Nós (RTP1)


Entrevista de Pedro Miguel Rocha sobre o programa de televisão "Contentor 13".

Aqui:  Agora Nós
[minuto 18:50]

sábado, 3 de janeiro de 2015

Revista, Expresso


"Quando Pedro Miguel Rocha (...) leu no jornal que o Village Underground era acima de tudo uma aldeia de ideias, achou que aquele era um bom sitio para procurar criatividade."

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Revista Visão


"O Village Underground Lisboa (...) vai servir agora de palco para um inovador programa de televisão sobre literatura, produzido para a RTP2 por um dos seus residentes, Pedro Miguel Rocha, também ele escritor."

sexta-feira, 27 de junho de 2014

La Voz de Galicia


"En estos momentos, trabaja en sus contenedores (Village Underground Lisboa) un conocido escritor portugués, Pedro Miguel Rocha, que utiliza en su obra temática gallega y busca una nueva fuente de inspiración."
22-06-2014

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Jornal ABC


"Entre los inquilinos está Pedro Miguel Rocha, un escritor portugués que se ha instalado en un contenedor para buscar inspiración para sus libros."

http://www.abc.es/internacional/20140617/abci-village-underground-lisboa-201406051957.html#.U6FbhG9BvfA.facebook

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Criticalia / El Ideal Gallego / Diario de Ferrol




Peregrinaxes literarias

por Armando Requeixo


Quero dar hoxe noticia dun escritor singular, un autor no que se dá unha síntese única: Pedro Miguel Rocha, un narrador nacido en Vouzela (1973), no distrito portugués de Viseu, que é, sen dúbida, o máis galego dos creadores lusos.

No seu afán por aproximar culturalmente Portugal a Galicia formou parte, a finais da década dos 90, da Associação de Amizade Galiza-Portugal e asistiu tamén a cursos de Lingua e Cultura Galegas na Universidade do Minho e a Universidade Nova de Lisboa.

Certamente, aínda sendo Rocha escritor de expresión portuguesa, as temáticas, os personaxes a localización das súas historias e todo o tecido das súas obras teñen un inequívoco selo galego.

Ata o de agora, son catro os títulos dados a coñecer por este docente de Literatura Portuguesa, tamén editor na referencial Porto Editora e aínda investigador: Juntos temos poder (2009), Chegámos a Fisterra (2010), O eremita galego (2011, Prémio Literário Maria Ondina Braga) e os ben recentes Contos peregrinos (2014), dos que me ocuparei a seguir.

Os quince relatos que compoñen este libro son un exemplo acabado de irmandade luso-galega, non só porque en varios deles o protagonismo e mesmo a localización sexan nosas, senón porque cada conto se acompaña dun posfacio escrito por diferentes autores entre os que se contan tres galegos (o novelista e profesor Carlos Quiroga, o narrador Séchu Sende e quen asina). Son, amais, historias que defenden a necesidade da utopía, das utopías, afirmando a confianza na consecución dun mundo futuro mellor, ecolóxico, onde o respecto pola diferenza sexa moeda común e o librepensamento a única bandeira. Neste sentido, as narracións de Contos peregrinos afincan moi visiblemente na práctica da pluralidade multicultural, no respecto idiomático e a convivencia dos distintos vehículos lingüísticos da área luso-galega.

Resulta estimulante comprobar a feliz conxunción do real empírico e o real onírico que se dá nestes textos. Somos o que soñamos, xa se sabe, e esa máxima que tantos abonaron, dende Shakespeare ata Cunqueiro, esprémea aquí Rocha ata as últimas consecuencias, facendo convivir nos relatos vivos e espectros, seres imposibles con xente do común, ensaiando a distopía en diversas ocasións.

O carácter peregrino desta narrativa, o que nela hai de alusivo aos camiños composteláns, é tamén un acerto que presenta a cidade do Apóstolo como símbolo e crisol de mundos, de culturas, un territorio común e universal, camiño aberto polo que transitar a vida e aprender dela.

Humanista, defensor dun mundo de valores e mañá esperanzado, Rocha non evita a crítica ás miserias sociais e os abusos de poder que nos rodean. Todo o contrario, a súa visibilización é, de feito, o primeiro paso para mudar ese estado de cousas, para persuadirnos da marxe de mellora, e aí é onde reside a carga subversiva destes contos.

Como narrador Rocha é un estilista clásico, que arquitecturiza as narracións rexeitando os construtos alambicados. Conta claro e seguido, con progresión lineal e acaída caracterización dos personaxes. Persegue comunicar unha historia, un sentimento, unha situación crucial, non recrearse no manierismo da greca formal, o que coido é todo un acerto.

Editados con sumo gusto por Esfera do Caos (atractiva cuberta, intelixentes paratextos e óptima escolla tipográfica, de caixa e materiais), estes Contos peregrinos son a confirmación literaria dun autor ao que se ten alcumado, con xustiza, como o ‘escritor portugués de alma galega’, un autor no que a fusión transmiñota encarna e brilla con todo esplendor.

[El Ideal Gallego, Diario de Ferrol, 26-5-2014]


quarta-feira, 21 de maio de 2014

Rádio Burela (Galiza)



Entrevista concedida à Rádio Burela:

http://www.ustream.tv/recorded/47833307

(a partir do minuto 27)

Portal Galego da Língua

‘Contos Peregrinos’ em Compostela



  Livraria Ciranda (rua Travessa 7, Compostela)
'Contos Peregrinos' em Compostela @ Livraria Ciranda (rua Travessa 7, Compostela) | Santiago de Compostela | Galicia | Reino da Espanha
Pedro Miguel Rocha, também conhecido como «o escritor português de alma galega» (tem duas obras ambientadas na Galiza), chega ao nosso país para apresetnar a sua nova obra, Contos Peregrinos. Para este novo trabalho contou com a colaboraçom dos galegos Armando Requeixo, Carlos Quiroga e Séchu Sende.

terça-feira, 20 de maio de 2014

La Voz de Galicia



Pedro Miguel Rocha presenta libro en el Perdouro

0 votos
La Biblioteca del IES Perdouro de Burela acogerá este jueves 22 una nueva cita ligada al Modelo Burela y a la literatura pues el conocido como «escritor portugués de alma galega», el lisboeta Pedro Miguel Rocha, estará en el instituto burelense a las 11.15 para presentar el libro Contos peregrinos, publicación en la que contó con las colaboraciones de Armando Requeixo, especializado en la obra de Xosé María Díaz Castro, Carlos Quiroga y Séchu Sende. Después irá a Ferrol y Santiago.

Xornal Galicia


A biblioteca do IES Perdouro acollerá ás 11:15 horas do próximo xoves, día 22 de maio, un novo encontro literario “Modelo Burela”. O programa de promoción da interculturalidade terá nesta ocasión como protagonista o profesor Pedro Miguel Rocha, tamén coñecido como “o escritor portugués de alma galega”, que chega á Mariña para presentar en primicia a súa nova obra Contos Peregrinos, para a que contou coa colaboración de tres escritores galegos: Armando Requeixo (o ensaísta especializado na obra de Xosé María Díaz Castro), Carlos Quiroga (docente da Facultade de Filoloxía da USC) e Séchu Sende (o narrador “Made in Galiza”).
Tras este acto a celebrar en Burela, Pedro Miguel Rocha continuará coa súa apretada axenda que o levará á Escola de Idiomas de Ferrol e unha libraría de Santiago de Compostela, onde a cita será ás nove da noite dese mesmo día. Na xornada do día 23 protagonizará un encontro de semellantes características na cidade da Coruña.

Pedro Miguel Rocha (Vouzela, Viseu, 1973) combina tres actividades: profesor de ensino secundario, editor e escritor. Licenciado en Ensino do Portugués e Inglés pola Universidade do Minho, especializouse en Ciencias Documentais e Escrita Literaria –nesete caso no Instituto de Criatividade, Artes e Novas Tecnologias da Universidade Nova de Lisboa. Tras tomar contacto co estudo da nosa cultura na Universidade do Minho (2000), asistiu en 2013 ao curso de Lingua e Literatura Galega ministrado polo profesor Isaac Lourido en Lisboa.

Alén da súa obra narrativa (Juntos Temos Poder (2009); Chegámos a Fisterra (2010); O Eremita Galego (2011); Contos Peregrinos (2014) ), Pedro Miguel Rocha mantén o blogue “Português de Alma Galega” co que pretende “Dar a conhecer a Galiza aos países de Língua Portuguesa (e vice-versa), através da partilha de informações, notícias, entrevistas e sugestões culturais”).

Máis información:

http://www.pedromiguelrocha.com/2027/biografia.html

http://pedromiguelrocha.blogspot.com.es/

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Revista galega "Biblos"
























A encenação galega da narrativa de Pedro Miguel Rocha

Carlos Quiroga

Eis um escritor que foi decantando o seu universo narrativo para um pano de fundo com preferência pela nossa geografia, e não só, a ganhar todo o protagonismo desde os mesmos títulos. Nos três livros publicados, rumou de início para África com Juntos Temos Poder (2009), mas em seguida se voltou para o norte com Chegámos a Fisterra (2010), para redundar com O Eremita Galego (2011).

Pedro Miguel Rocha nasceu no distrito de Viseu (Vouzela, 1973) e formou-se na Universidade do Minho, Ensino de Português e Inglês. Realizou uma Pós-Graduação em Ciências Documentais na Universidade Católica e ingressou no Mestrado em Estudos Portugueses da Universidade Nova de Lisboa. Reside atualmente nesta cidade, onde é professor, revisor de texto para a Porto Editora e investigador. Em 2010 foi finalista do Prémio Literário Esfera das Letras e no ano a seguir venceu o Maria Ondina Braga com O Eremita Galego. Chama desde logo a atenção o uso informado do universo cultural galego na sua construção narrativa e admira que esta não tenha pretensões pirotécnicas. As suas histórias, com muito diálogo e desafetação descritiva, facilitam o seguimento de intrigas capazes de seduzir um público amplo. E com toda certeza o deste lado do Minho.

*

01.
– A estréia com Juntos Temos Poder apresenta um cenário africano que em nada fazia prever as escolhas posteriores. Foi este livro produto de uma experiência pessoal?

Na verdade, não. Já fui voluntário, mas só em Portugal. A opção por um cenário de sofrimento extremo, como um campo de refugiados postado num abandonado local do Norte de Moçambique, foi intencional, tendo em vista a potencialização do cerne da mensagem que pretendia transmitir.
Indignado com o egoísmo, com a indiferença generalizada e com o excesso de materialismo que carateriza (ou caraterizava em 2009) as sociedades ocidentais, resolvi criar um enredo que confrontasse, diretamente, os leitores com as dramáticas carências em que vivem inúmeros irmãos do hemisfério sul deste planeta.
Contudo, apesar do mencionado cenário de decadência humana, Juntos Temos Poder é um livro carregado de sonhos e de utopias, que espero que leve as pessoas a acreditarem num mundo bem melhor do aquele em que vivemos atualmente!

02.
– Apesar de aparente divergência creio que há muita proximidade entre todos os teus livros. Refiro-me a estratégias narrativas, constantes ideológicas, personagens como por exemplo o médico português que perde a sua esposa no primeiro e o professor universitário do terceiro, etc. Existem paralelos entre Cristóvão Santos e Jorge Barros, há um mesmo coração por trás, escreve-se sempre o mesmo livro?

Creio que não se escreve sempre o mesmo livro, mas, de facto, está por trás o mesmo autor e este pode considerar que ainda não esgotou determinadas temáticas. Há questões que dominam as minhas preocupações enquanto cidadão empenhado em tentar melhorar o mundo e penso que estas voltarão recorrentemente aos textos que escrevo através da voz das diferentes personagens que vou criando.

03.
– Foi a localização e autoria do livro que procura o Chris de Chegámos a Fisterra que te levou aos cenários galegos? Foi a tua aproximação prévia à cultura galega que levou tudo isso para a tua escrita?

Antes de dar vida ao Chris de Chegámos a Fisterra, em 2010, já me tinha aproximado da cultura galega. No meu primeiro livro, uma das personagens, a enfermeira Dulce, é galega e o enredo do Juntos Temos Poder passa, numa parte final, por Santiago de Compostela. Essa aproximação aconteceu no final dos anos noventa, depois de ter estudado língua e cultura galega na Universidade do Minho. Descobri, a partir daí, que me sinto um cidadão português de alma galega, verdadeiramente apaixonado pelos encantos da terra que alberga uma parte da minha essência espiritual.

04.
– Personagens idealistas, padecimento existencial, valores de solidariedade, há talvez uma espécie de humanitarismo e uma visão utópica que percorre toda a tua obra? Existe alguma pretensão neste sentido?

Não existe nenhuma intenção deliberada nesse sentido. Acabou por acontecer naturalmente, uma vez que a minha obra espelha, em várias latitudes, a minha própria alma. Sou uma pessoa sonhadora, utópica, idealista e empenhada nas causas em que acredito, portanto os meus livros acabam por ser o reflexo de todas estas minhas utopias que me transportam para sonhos que eu gostaria imenso de ver concretizados.

05.
– Sem diminuir o utopismo, antes talvez ampliado em metáfora mais universal, em Chegámos a Fisterra o enredo digamos que policial cobra no entanto toda a centralidade. Está no thriller a via mais eficiente de prender o leitor, e inclusive levá-lo a refletir sobre assuntos mais sérios?

Houve, realmente, uma vontade expressa de prender o leitor através dos habituais ingredientes do thriller e, igualmente, uma vincada necessidade que sentia de contrapor pessimismo e realismo a todas as minhas utopias. Queria deixar claro que os sonhadores pagam, num mundo pragmático e duro, um preço alto pelos seus sonhos e que, infelizmente, regra geral, são as pessoas mais frias, objetivas e insensiveis que chegam aos mais altos cargos.

06.
– O candidato a escritor e a desatenção das editoras apenas pendentes da possibilidade de lucro está na raiz argumental de Chegámos a Fisterra. Também o protagonista de O Eremita Galego abriga ambições literárias e até vai a Paris com a pretensão de um prólogo do seu escritor favorito. Foi o teu trabalho no meio editorial como revisor de texto que te deu essa visão crítica do meio?

Foi mais a minha experiência pessoal enquanto escritor, pois não é fácil um autor desconhecido entrar no mundo editorial. Hoje, então, cada vez menos. Com todas estas dificuldades financeiras em que vivemos, reconheço que as editoras não podem correr grandes riscos e a solução mais segura passa, mesmo, por apostar, quase em exclusivo, nos escritores facilmente reconhecidos pelo mercado.

07.
– São os prémios o melhor modo de ultrapassar barreiras e entrar no campo literário?

Não necessariamente e depende, também, obviamente, dos prémios de que estamos a falar. Prémios de grande visibilidade, como o Prémio Saramago ou o Leya, em Portugal, colocam, de imediato, os seus autores na ribalta durante uns tempos. Se a sua obra for consistente acabam por permanecer no mercado, mas outros, como já aconteceu, acabam por se desvanecer no contexto editorial e deixam de ser uma referência. Há, também, pelo contrário, muitos autores que têm sucesso sem terem ganho qualquer prémio.

08.
– Tendo passado por essa experiência, achas que servem de algo os Cursos de Escrita Literária para se tornar um bom escritor?
Sinceramente, não. Fornecem algumas ferramentas teóricas interessantes, que podemos aplicar no momento da criação, mas não fabricam escritores. Acredito mais na inspiração de cada um, na riqueza e multiplicidade de experiências que se carrega e na profundidade daquilo que se tem para transmitir aos leitores.

09.
– A fluência da escrita é sem dúvida uma das características da tua narrativa, que choca com a historicamente elevada elaboração da narrativa portuguesa. É uma pretensão pessoal de clareza, é uma procura de público alargado, é a marca da tua geração?

É um facto que escrevo, claramente, para um público alargado. Nunca tive a intenção de perder horas a trabalhar exaustivamente o texto para que este possa ser “literário” e para que satisfaça os requisitos mínimos de qualquer grupo restrito de pessoas cultas. Escrevo para “todos nós”, digamos assim, porque tenho muitos sentimentos para partilhar com quem me quiser ler, muitas ideias, críticas, projetos, sonhos e infindáveis utopias para colorirem este mundo, atualmente acinzentado por alguns políticos, tecnocratas e especuladores.

10.
– Esgotaram-se personagens, referentes e cenários galegos ou voltarás revisitar tudo isso nalgum outro romance? Há novos projetos literários em vista? Guardas outros livros na gaveta?

Não, de todo! Não há, até agora, um único livro meu que não tenha a Galiza como cenário e assim vai continuar a ser sempre. No próximo, Contos Peregrinos, que será publicado em maio de 2014 e que será apresentado na próxima edição da Feira do Livro de Lisboa, incluo três textos dedicados à Galiza, os quais contarão com posfácios de três personalidades galegas: Armando Requeixo, Carlos Quiroga e Séchu Sende.
Na gaveta, à espera de tempo para o poder terminar, está O Enigma de Pontevedra, sem, para já, qualquer data prevista para a sua publicação.

In Revista Biblos, (Corunha), janeiro de 2014, pp. 28-29

sábado, 20 de julho de 2013

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Blogue "Morrighan"

O Eremita Galego
Pedro Miguel Rocha

Editora: Esfera do Caos

Sinopse: Este livro conta-nos a história de um professor universitário de filosofia, de 50 anos, que, a dada altura, vergado por conflitos pessoais e profissionais, e por uma devastadora intriga que o leitor acompanhará com emoção, sente uma incontornável neces­sidade de se refugiar na costa galega, num casebre abandonado. Viverá, então, a partir daí e durante vários anos, totalmente isolado do mundo, relegado, por opção própria, à quase exclusiva com­panhia do mar.

Opinião: São poucos os autores que têm a capacidade de nos deixar pensativos e introspectivos após uma leitura. Isto, porque nem todos conseguem tocar-nos na alma e falar-nos ao espírito, obrigando-nos a pôr umas quantas coisas em perspectiva. Pedro Miguel Rocha, para além de ter essa capacidade, tem a mestria de nos comover, revoltar e por fim provocar um sentimento de redenção para com o que nos rodeia. 

A nossa a vida, a nós pertence. O caminho que percorremos é decido a cada instante pelas nossas acções. Esquerda ou direita, acreditar ou duvidar, pôr em causa ou seguir cegamente, lutar ou desistir.

'O Eremita Galego' dá-nos a conhecer um homem que decide lutar pelo seu sonho, ser escritor. Mas depois de uns quantos 'nãos' editoriais com as famosas respostas 'não se enquadra na nossa linha editorial' por ser demasiado objectivo e realista, começa a duvidar de si próprio. A sua esposa começa a cobrar o tempo que ele perde à volta desse sonho que não passa mesmo disso, de um sonho. Até que uma semente é semeada, uma semente de inveja e traição e o mundo deste nosso filósofo desmorona. Ele isola-se. A vida continua na mesma. Quando decide voltar ao mundo real, é arrebatado por uma série de factos que o fazem agarrar de novo à vida, dando-lhe a motivação necessária para deixar uma marca benéfica da sua existência.

Adorei este pequeno livro do Pedro Miguel Rocha. Um autor autêntico, com uma escrita comovente tocando em vários pontos sensíveis. Um autor a ter em conta. Gostei.



http://www.branmorrighan.com/2012/02/opiniao-o-eremita-galego-de-pedro.html



quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Blogue "Silêncios que Falam"

«O Eremita Galego», de Pedro Miguel Rocha


Será o Ser Humano o mestre e arquitecto da sua vida? O isolamento misturado com o silêncio será uma fórmula de auto-ajuda? Quem constrói o destino, o caminho percorrido e o a percorrer? 

A vida deste professor de Filosofia parece ser, á priori, um mar de rosas. Tendo uma profissão e uma família exemplar, este homem um dia depara-se com mentiras recalcadas e omitidas, tanto da sua cônjuge, como da sua filha Ana.
Ao ver que a sua vida não passou de uma construção mal alicerçada, Jorge inicia um longo caminho de reflexão, afastando-se do seu lar, de tudo e de todos, refugiando-se e tendo o mar como seu único vizinho. 
O momento de transformação de Jorge, quando passa de ajudado a ajudante foi muito bom de ler, em especial, na conversa que este tem com uma velhinha pedinte.
Neste romance do escritor Pedro Miguel Rocha, as solicitudes da vida dos personagens são apresentadas de modo a que reflictamos sobre a essência e teias que escondem-se atrás das aparências humanas.
A natureza do Homem é vista como inata, parte integrante do seu modo de agir, e por vezes, parte intrínseca do seu apelo à mentira, para não ferir constrangimentos.
O aborto, o suicídio, a traição, a mentira, a ganância, o sofrimento, o altruísmo, o isolamento e o silêncio são temas/sentimentos delicados, mas tão bem alinhavados, numa estrutura narrativa exímia, pelo punho e mestria de Pedro Miguel.
Um livro de história breve, intenso filosoficamente, desvendando uma escrita subtil, crítica e poética.

“..todos temos os nossos pátios secretos, onde poucos entram.”
“Ficámos os dois, durante alguns minutos, a beijar o silêncio e a lamber as feridas do passado.”



quarta-feira, 1 de junho de 2011

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Jornal Dínamo

"O Eremita Galego"e-mail
Literatura
Escrito por Paula T.   
18-Mai-2011
Pedro Miguel Rocha

Obra vencedora do 
PRÉMIO LITERÁRIO MARIA ONDINA BRAGA • 2011
,
patrocinada pela Câmara Municipal de Braga

Conseguiríamos viver isolados, tendo somente o mar e o silêncio como companheiros?

eremita_galego.jpgOpinião:
O ser humano é sem dúvida um ser de essência única e misteriosa.
Até quando, há que passar por dificuldades para nos apercebermos que estamos aqui (talvez) por uma única vez e há que aproveitar esta curta estadia para deixarmos algo , uma marca , por mais pequena que esta seja…sei que esta frase é um lugar comum, mas quantos se apercebem disso realmente? Quantos continuam a dizê-lo sem nada fazerem??
O valor e o significado que damos às pequenas coisas. Quantos, entre nós, olharão os pormenores com um olhar especial? Quantos saberão minimizar os seus problemas e não fazer da vida um drama? Por vezes, senão mesmo muitas vezes, é necessário sofrer de forma atroz para renascer…
“O Eremita Galego” é uma obra do autor Pedro Miguel Rocha, “Eremita (do gr. Eremites “que vive em lugar ermo”, (…) pessoa que evita a convivência social, que vive isolada(…)” pág 7
Um livro que se lê num serão, tal é a forma que as acções se desenrolam e nos tocam.
Jorge, é um homem feliz com a sua família e até certo ponto com a sua rotina, de um momento para o outro, vê a sua vida esvair-se tal é a maldade dos outros, a maldade do mundo, onde o dinheiro e os interesses prevalecem cada vez mais.
Assim, após desvendar várias situações, Jorge decide afastar-se da civilização por longos anos e só voltará à vida entre os seus pares depois de muita reflexão, porém quando volta é de uma forma renascida, decidido a fazer algo pelos outros, o que infelizmente (quase) já não existe na nossa sociedade: ajudar os outros sem interesse! Há, de certo, muito mais a dizer sobre este livro, sobre esta história...
À parte de toda a reflexão que nos envolve nesta obra, há uma crítica não menos importante por parte do autor às editoras, como grandes interesseiras nos livros escritos por autores de nomes sonantes, sem olhar ao conteúdo do livro. Vender o livro de alguém que já é famoso é objectivo primeiro de muitas editoras! Este é um mundo conhecido por parte do autor, imagino as dificuldade em editar ou que presenciou outros terem…
Este é um livro que aconselho sem reservas!

Sinopse:
Este livro conta-nos a história de um professor universitário de filosofia, de 50 anos, que, a dada altura, vergado por conflitos pessoais e profissionais, e por uma devastadora intriga que o leitor acompanhará com emoção, sente uma incontornável neces­sidade de se refugiar na costa galega, num casebre abandonado. Viverá, então, a partir daí e durante vários anos, totalmente isolado do mundo, relegado, por opção própria, à quase exclusiva com­panhia do mar.
"O que mais me moveu a ler 'O Eremita Galego' sem parar, de uma única vez, foram as inúmeras qualidades que o autor revela, mais uma vez, na sua obra, alertando o Ser Humano para as coisas mais simples, mas também mais importantes da sua existência."
Daniela Santiago, Jornalista da RTP e Professora Universitária. Excerto adaptado do Prefácio.

“À porta do casebre, outrora abrigo de agricultores, apreciava a tempestade que arreba­nhava a paisa­gem, impávido…
Não tinha nada a perder…”
Jorge Barros, Professor na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, tem uma esposa, uma filha, um emprego e um quotidiano bem definido. A inapelável inconstância da vida humana, contudo, fará desabar os alicerces da sua rotina.
Esta é uma obra que nos faz reflectir sobre as vicissitudes da nossa existência, sobre a precariedade daquilo que temos como adquirido e sobre a facilidade com que o destino – com um simples sopro – altera o rumo das nossas vidas singulares.

In Jornal Dínamo, 18 de maio de 2011




sábado, 7 de maio de 2011

Rádiofusiòn (Corunha)



Rocha acaba de facerse co Premio Literario Maria Ondina Braga
“Sinto que a miña alma é galega”, asegura o escritor portugués Pedro Miguel Rocha. Ese sentimento explica por que o autor ambienta todas as súas novelas en Galicia. A última, O eremita galego, acaba de valerlle o premio Maria Ondina Braga, que outorga o concello de Braga. A obra narra a historia dun profesor universitario de 50 anos que, por mor dos seus problema personais e profesionais, ve a necesidade de refuxiarse na Costa da Morte. Se nesta ocasión Muxía é o escenario elixido por Pedro Miguel Rocha, no seu último libro optara por Fisterra e o seguinte en camiño, segundo adiantou en Radiofusión, desenvolverase en Laxe.


“A historia cometeu un grande erro ao separarnos, somos moi parecidos”, afirma o escritor cando se lle pregunta pola relación entre Galicia e Portugal. Aprecia nos últimos anos importantes pasos de aproximación entre os dous países, pero coida que aínda non son os suficientes. El, a nivel persoal, si tende pontes entre as dúas beiras do Miño: visita Galicia con frecuencia, declárase apaixonado da nosa cultura e estudou galego na Universidade do Minho.
Pedro Miguel Pereira da Rocha naceu en Vouzela en 1973, é licenciado en Ensino de Portugués e Inglés e reside no Miño. Publicou en 2009 Juntos Temos Poder, en 2010 Chegámos a Fisterra e Já Não se Fazem Homens como Antigamente e, en 2011, O Eremita Galego, novela pola que acaba de recibir o Maria Ondina Braga. Ese galardón, que outorga o Concello de Braga, ten como obxectivo “honrar a memoria desta insigne escritora, nacida e falecida na cidade, e cuxa obra representa un patrimonio da máis elevada importancia para a cultura portuguesa e un gran motivo de orgullo para todos os bracarenses”.

Entrevista em: http://www.radiofusion.eu/manager.php?p=FichaNova&ID=10476


Radiofusiòn (Corunha)